domingo, 6 de fevereiro de 2011

Onde está a chave?


Às vezes me sinto com a mente tão vazia.

Não sei, mas sabe quando bate aquele desejo de escrever, mas nada passa à sua mente? É como se você estivesse numa sala iluminada com uma luz fluorescente piscando, em paredes descascadas, sem móveis, você andando de um lado para o outro, com desejo de escrever de sobra, mas faltando e muito aquela inspiração. Falta inspiração, falta tempo. O relógio também suga a minha inspiração. O relógio, o tempo, a falta de tempo, a rotina, o trabalho, as contas... Afinal, o que está acontecendo comigo?

Tenho que admitir que vivo em uma cidade e em uma época onde o ser humano tem mais deveres, mais informação, mais compromissos com o relógio. Isso ainda agravado por morar numa cidade como São Paulo, onde a pressa é tão companheira quanto a falta de tempo, o trânsito, etc.

Talvez por isso que tantas pessoas sentem falta da infância, da adolescência, dos tempos dos colégio... tempos onde se tinha mais tempo. Tempo para pensar, tempo para não pensar em mais nada, tempo para se divertir, tempo para observar uma formiga caminhando na calçada, para perguntar aos mais velhos os porquês que a vida nos cria, tempo para tudo. À medida que vamos ficando mais velhos, esse tempo vai acabando. Vem a necessidade de trabalhar, de estudar, vem o casamento, os filhos, aumenta-se as responsabilidades, o trânsito, a perda de tempo, e por ai vai. Somos pessoas cada vez mais sem tempo para ver a nós mesmos.

Mesmo falando sobre isso, tem momentos em que me sinto culpado. Sou solteiro, não tenho filhos, sou jovem, ainda não preciso assumir certas responsabilidades que até gente mais nova do que eu já têm. Mas não sei, tenho a sensação de que algo em sufoca, algo me prende e não me deixa livre no pensamento. Alguns vizinhos mais supersticiosos me dirão que é energia negativa, inveja, etc. Minha mãe vai dizer que eu durmo muito tarde, e que não me alimento direito. Outros darão n palpites, mas no fim, continuarei me sentindo da mesma forma: ainda na sala vazia, andando de um lado para o outro, me sentindo com a mente vazia (e relaxe, mesmo vazia, a oficina continua sendo controlada por mim mesmo, e de certa forma, por Deus).

É claro, para quem escreve, passar por isso é a coisa mais normal do mundo, tanto que já estive na tal sala várias vezes. Mas dessa vez parece diferente. Sinto que algo está me prendendo, sinto que algo está me deixando preso naquela sala. Coloquei a falta de tempo aqui como um possível motivo, mas diante da complexidade do ser humano, quem sabe que se a verdade pode estar ou não bem debaixo do meu nariz...

Afinal de contas, onde está a chave?

Danilo Moreira
junho de 2010

Gostou do blog? Então, não o perca de vista. Assine o feed, adicione nos seus favoritos ou seja um seguidor. Obrigado pela visita ao Ponto Três!

FOTO: http://pt.dreamstime.com/foto-de-stock-buraco-da-fechadura-image3060580

4 comentários:

enricows disse...

Muito bonito esse texto! Parece uma crise existencial! Para mim, parece que você precisa de inspiração!
É só o que tenho para dizer!
Abraço!
http://enricows.blogspot.com/

LADY D. A. disse...

Sabe o que me inspira, fazer uma coisa que eu não gosto, ai eu penso no que gosto e fico inspirada e tbm fotos, músicas,clipes e por ai vai...

song.clothes disse...

Você escreve muito bem.
parabens, escrever com a alma é aptidão de poucos.
Vc concorreu no concurso de blogs?
Acho que o seu poderia ter ganho.
beijos

http://songclothes.blogspot.com/

Karla Hack dos Santos disse...

A vida consegue as vezes sufocar se não pararmos para tomar um fôlego e reavaliar...
As vezes é só o que falta para reencontrar a inspiração e o caminho!

;D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...